Rádio Laser

‘Trabalhava 20 horas e dormia em motel’, diz ator

10 de fevereiro de 2017
‘Trabalhava 20 horas e dormia em motel’, diz ator

De 2002 a 2006, Fabiano Augusto ganhou fama e uma boa quantia em dinheiro para dizer, várias vezes por dia na programação da TV aberta, a frase “Quer pagar quanto?” no comercial de uma grande marca varejista. Mas o trabalho que durava apenas segundos no ar era pesado: o ator de 41 anos revela que ficava até 20 horas por dia no estúdio para gravar os comerciais e precisava dormir no motel mais próximo para conseguir continuar o trabalho no dia seguinte.

“Cada campanha durava um dia [no ar], então a gente gravava 20 comerciais por dia. Eu trabalhava 20 horas diárias. Tinha, às vezes, uma folga por semana. Quando as pessoas me perguntavam o que eu mais queria, eu respondia: ‘Quero minha cama’. Do lado do estúdio tinha um motel. Já saí e fui dormir no motel, porque depois de três horas tinha que voltar. Era heavy metal mesmo”, conta em entrevista ao webprograma Senta que lá Vem!.

Augusto começou a carreira na televisão como apresentador do Turma da Cultura, programa interativo e diário da TV Cultura. Mas, após ficar na geladeira da emissora pública, aceitou proposta para trabalhar com publicidade e ficou durante um ano fazendo comerciais avulsos para as Casas Bahia, até se tornar garoto-propaganda oficial.

Após quatro anos exaustivos no emprego, ele pediu demissão para poder ter mais tempo para família, amigos e outros trabalhos. Desde então, morou fora, foi produtor musical e teatral e interpretou Ney Matogrosso em um espetáculo. Augusto voltou a fazer comerciais para a mesma marca em 2013 e se orgulha de seu trabalho, mas sabe que já irritou muita gente em frente à TV.

“Ser garoto-propaganda de uma marca às vezes é muito chato porque você não contracena com ninguém, fala direto para a câmera. Às vezes me vejo na TV e me desconheço. Penso: ‘Como fui capaz de fazer isso?’. Naquela época, tinha um tom muito agressivo, de enfiar o dedo na televisão das pessoas. Óbvio que vão achar essa pessoa chata”, admite.

Fonte: Uol.com.br